A DEUSA


Para a Wicca, existe um Princípio Criador, que não tem nome e está além de todas as definições.

Desse princípio, surgiram as duas grandes polaridades, que deram origem ao Universo e a todas as formas de vida. PRINCIPIO FEMININO OU GRANDE MÃE.

A Grande Mãe representa a Energia Universal Geradora, o Útero de Toda Criação. É associada aos mistérios da Lua, da Intuição, da Noite, da Escuridão e da Receptividade. É o inconsciente, o lado escuro da mente que deve ser desvendado.

A Lua nos mostra sempre uma face nova a cada sete dias, mas nunca morre, representando os mistérios da Vida Eterna. Na Wicca, a Deusa se mostra com três faces: a Virgem, a Mãe e a Velha Sábia, sendo que esta última ficou mais relacionada à Bruxa na Imaginação popular.

A Deusa Tríplice mostra os mistérios mais profundos da energia feminina, o poder da menstruação na mulher, e é também a contraparte Feminina presente em todos os homens, tão reprimida pela cultura patriarcal! A Deusa é a Mãe universal.

É fonte da fertilidade, da infinita sabedoria e dos cuidados amorosos. Segundo a Wicca, ela possui três aspectos: a Donzela, a Mãe e a Anciã, que simbolizam as Luas Crescente, Cheia e Minguante.

Ela é a um só tempo o campo não arado, a plena colheita e a Terra dormente, coberta de neve. Ela dá à luz em abundância. Mas, uma vez que a vida é um presente seu, ela a empresta com a promessa da morte. Esta não representa as trevas e o esquecimento, mas sim um repouso pela fadiga da existência física.

É uma existência humana entre duas encarnações. Uma vez que a Deusa é a natureza, toda a natureza, ela é tanto a tentadora como a velha; o tornado e a chuva fresca de primavera; o berço e o túmulo. Porém, apesar de ela ser feita de ambas as naturezas, a Wicca a reverencia como a doadora da fertilidade, do amor e da abundância, se bem que seu lado obscuro também é reconhecido.

Nós a vemos na Lua, no silencioso e fluente oceano e no primeiro verdejar da primavera. Ela é a incorporação da fertilidade e do amor. A Deusa é conhecida como a rainha do paraíso, Mãe dos Deuses que criaram os Deuses, a Fonte Divina, A matriz Universal, A Grande Mãe e incontáveis outros títulos. Muitos símbolos são utilizados na Wicca para honrá-la, como o caldeirão, a taça, o machado, flores de cinco pétalas, o espelho, colares, conchas do mar, pérolas, prata, esmeralda... para citar uns poucos. Por governar a Terra, o mar e a Lua, muitas e variadas são suas criaturas.

Algumas incluíram o coelho, o urso, a coruja, o gato, o cão, o morcego, o ganso, a vaca, o golfinho, o leão, o cavalo, a corruíra, o escorpião, a aranha e a abelha. Todos são sagrados a Deusa!

A Deusa já foi representada como uma caçadora correndo com seus cães de caça; uma deidade celestial caminhando pelos céus com pó de estrelas saindo de seus pés; a eterna mãe com o peso da criança; a tecelã de nossas vidas e mortes; uma Anciã caminhando sob o luar buscando os fracos e esquecidos, assim como muitos outros seres. Mas independente de como a vemos, Ela é onipresente, imutável, eterna.





CANÇÃO DA DEUSA

 

(Esta canção, enviada para o EW em 1999, é baseada em uma invocação criada por Morrigan, fonte oficial não divulgada)

Sou a Grande Mãe, cultuada por todas as criaturas e existente desde antes de sua consciência.

Sou a força feminina primitiva, ilimitada e eterna.

Sou a casta Deus a da Lua, Senhora de toda a magia.

Os ventos e as folhas que balançam cantam meu nome.

Uso a lua crescente em minha fronte e meus pés se apoiam sobre os céus estrelados.

Sou os mistérios não solucionados, uma trilha recém-estabelecida.

Sou o campo intocado pelo arado.

Alegre-se em mim, e conheça a plenitude da juventude.

Sou a Mãe abençoada, a graciosa Senhora da Colheita.

Trajo a profunda e fresca maravilha da Terra e o outro dos campos carregados de grãos.

Por mim são geridas as temporadas da Terra; tudo frutifica de acordo com as minhas estações.

Sou o refúgio e cura.

Sou a Mãe que dá vida, maravilhosamente fértil.

Cultue-me como a Anciã, mantenedora do inquebrado ciclo de morte e renascimento.

Sou a roda, a sombra da Lua.

Controlo as marés das mulheres e dos homens e forneço libertação e renovação às almas cansadas.

Apesar de as trevas da morte serem meu domínio, a alegria do renascimento é meu dom.

Sou a Deusa da Lua, da Terra, dos Mares.

Meus nomes e poderes são múltiplos. Distribuo magia e poder, paz e sabedoria.

Sou a eterna Donzela, a Mãe de tudo, e a Anciã das trevas, e lhe envio bênçãos de amor sem limite.

 


Amigos, creio que só por esta canção, conseguimos completar a definição sobre nossa Deusa-Mãe.